quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Se eu fosse vivo, cantaria

Se eu pudesse voar, eu voaria
Só para mais longe ir e de mais alto me jogar
Se eu fosse um corredor, eu correria
Pra tropeçar, mas sem cair, e pra sorrir quando voltar
Se eu pudesse sonhar, eu sonharia
Sonharia ao dormir, e muito mais ao acordar
Mas eu não vôo, eu não corro, eu não sonho.
Se eu fosse vivo, cantaria...

Um comentário:

Karina Meireles disse...

Em terras de urubus diplomados não se ouve o canto dos sabiás!