sábado, 20 de junho de 2009

O drama da vocação enjaulada, ou a vida no corredor da morte

Como milhões de brasileiros, sou dono de uma vocação enjaulada. Por dentro do executivo estressado, que bajula clientes e fecha grandes negócios, debate-se um frustrado professor de literatura, condenado à prisão perpétua pelas limitações salariais de sua vocação.
*
O preso não tem bom comportamento. Ele se debate, rebelando-se e deixando um rastro de destruição a cada tentativa frustrada de vencer os muros de sua prisão, que se apresenta cada dia mais definitiva.
*
Meu único conforto é que a pena não se anuncia muito longa. Não costuma ser grande a expectativa de vida dos homens que são carcereiros de si mesmos. Não raro, o preso morre jovem e frustrado, levando consigo seu carcereiro involuntário. Decerto morrerei esmagado sob o peso de muitas aulas não dadas, de alunos não ensinados e de livros não lidos. Como toda a minha geração.
*
Não tive sorte ao nascer num país que concentra a maior massa carcerária de vocações em todo o Universo. Sem indultos nem progressão de regime.

4 comentários:

Quem é tua Dona? disse...

É, até um tempo desses eu ainda estava lutando pelo meu sonho de ser jornalista, mas a lei da sobrevivência falou mais alto e eu me tornei uma gestora em RH (tudo a ver!)... é uma pena ver sonhos e vontades destruídos assim, não é?

Beijos, adorei seu blog!
Anita.

Gabriela Fabris disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Karina Meireles disse...

este é o peso desta insustentavel leveza...

Dama de Cinzas disse...

Pois é... minha vocação é trabalhar como médica, ou qualquer coisa que se parecesse com isso. Aí estou trabalhando no Forum... tudo a ver... ahahah... Sei que sou uma funcionária medíocre, cumpro o que me cabe e não me interesso por nada ligado a Direito...

Reservo meu tempo livre pra me dedicar pesquisando assuntos que me interessam...

Beijocas